Não é fácil conviver com a dor de cabeça. Além do incômodo, a cefaleia tem outras consequências: atrapalha o desempenho no trabalho ou nos estudos, muitas vezes, exigindo faltas e adiamento de compromissos para descanso e recuperação. Sem falar nos custos econômicos que a própria doença, ou o tempo que ela consome, geram.

Antes de partir para a aparente solução imediata – o primeiro analgésico que aparecer pela frente, por exemplo, – os especialistas aconselham tomar medidas simples, que devem ser praticadas no cotidiano e, se possível, incorporadas aos dias de manifestação da crise.

Acalme-se

Massagens, descanso, ioga, meditação... Todos os métodos que combatam o estresse, a ansiedade, a depressão e a dor são válidos na luta contra a cefaleia. Segundo o médico Zanella, essas atividades ajudam bastante no combate à dor. Outra recomendação de quem tem experiência no tratamento do problema é dormir adequadamente: manter a higiene do sono, com duração e qualidade satisfatórias, é uma exigência para quem sofre com esse tipo de problema.

Oxigenação

Exercícios aeróbicos, principalmente os que aumentam o tempo inspiratório, que elevam o volume de ar trocado pelos pulmões, mostram benefícios, por aumentar a quantidade de oxigênio disponível para o cérebro e a musculatura havendo uma maior tolerabilidade à dor. A prática de atividades que estimulem e regulem a respiração são a recomendaçã do médico Sabbag.

Interação

Prática de exercícios de forma regular e prazerosa, com outros familiares ou amigos, de preferência supervisionada por especialista, traz efeitos positivos no tratamento da dor de cabeça. Evitar situações e atividades que gerem ansiedade e irritabilidade no contato cotidiano, como entre colegas de trabalho e família, também tem vantagens comprovadas.

Moderação

A gula é um “pecado” para quem sofre de dor de cabeça. Comer com frequência superior àquela que o estômago processa o alimento ingerido é um estopim para as crises, segundo o nutrólogo Oliveira Filho. Sem tempo para descansar, o estômago se inflamará, com consequentes crises de cefaleia, trazidas em associação a úlceras, gastrites e até câncer no estômago.

Jantares mais leves

Com a estressante correria das grandes cidades, a última refeição acaba sendo a maior e mais pesada, porque é a que se tem mais tempo para fazer. “Durante o sono, o cérebro reduz a energia disponível para que o corpo repouse, mas o estômago está cheio e seu conteúdo passa a fermentar e deteriorar-se deleteriamente, acarretando terrível dor de cabeça ao despertar”, explica o médico Oliveira Filho.

Bom humor

“Quando estamos com distúrbios do humor, existe aumento da atividade do sistema nervoso autônomo, principalmente o sistema simpático, que é responsável pela regulação do batimento cardíaco, constrição ou dilatação dos vasos sanguíneos, pressão arterial e sudorese”, alerta o neurologista Sabbag. A liberação de adrenalina devido a irritabilidade, ansiedade, estresse, distúrbios do sono, hipertensão arterial etc., favorece a atividade desse sistema com vasoconstricção e contração da musculatura. Nada bom para controlar a dor de cabeça.

Fonte: Revista VivaSaúde