Durante a gestação muitas mudanças ocorrem no corpo feminino, além do crescimento da barriga, outras alterações são perceptíveis no comportamento e na pele, algumas boas e outras nem tanto.

A parte boa é que as grávidas ficam mais bonitas e com a pele brilhante, devido ao aumento do fluxo sanguíneo, provocando um ar mais juvenil a face da mulher, e as mudanças hormonais que fazem com que as glândulas sebáceas entrem em grande produção.

Mas tem alguns fatores nem tão bons assim, mulheres com a pele mais escura tendem a desenvolver cloasma, que são manchas amareladas ou acastanhadas que surgem no rosto. É provocado pelo aumento de progesterona e do estrogênio nas células da melanina e pode ser minimizado evitando a exposição solar direta. A sobrepigmentação atinge também outras partes do corpo, como as auréolas e quaisquer sinais ou sardas que possa ter.

As mudanças hormonais ainda são responsáveis pelo surgimento de acnes e da linea nigra, uma espécie de linha escura que vai desde o umbigo até ao centro do osso púbico, mas depois de alguns meses esses sinais desaparecem.

Já a partir do 2º trimestre de gestação, mais de 90% das mulheres desenvolvem estrias. Elas iniciam em um processo inflamatório provocando coceira, pode ser avermelhada ou acastanhada, e após um tempo tende a ficar esbranquiçada. Para evitar ou amenizar o efeito das estrias, abuse de hidratantes e evite coçar.

Para prevenir essas manchas que surgem durante a gestação, é de extrema importância usar protetor solar, se hidratar e fazer acompanhamento dermatológico, afinal não é permitido o uso de qualquer creme ou remédio para gestantes. Substâncias a base de ureia, tretinóia, isotretinoína, adapaleno, acitretin, ciclosporina, hidroquinoa, parabenos, formol, benzofena e cânfora podem causar malformação fetal ou atravessar a barreira placental, podendo provocar danos.