Até mesmo no momento da paquera é preciso ficar atento a saúde e condições bucais, pois durante um beijo cerca de 250 bactérias são trocadas e algumas delas podem transmitir doenças perigosas.

Após o carnaval, os consultórios odontológicos recebem a visita de pacientes com algumas feridas na boca e doenças. Isso ocorre porque a combinação de vários dias de festa, sem descanso, falta de hidratação, alimentação irregular e falta de higiene bucal facilita a contaminação de algumas doenças.

Conheça as principais doenças que podem ser transmitidas pelo beijo:

Mononucleose: É conhecida como "a doença do beijo" e apresenta como sintomas: febre, dor de garganta, gânglios no pescoço e até mesmo alterações no fígado e no baço.

Herpes simples: As vezes o parceiro não tem nenhuma lesão visível, mas carrega o vírus da doeça e pode transmiti-lo. As herpes causam lesões em pele e mucose que podem reativar periodicamente.

Meningite: Causa febre, mal-estar, vômitos, dor de cabeça e no pescoço. O fato de beijar muitos parceiros aumenta em quatro vezes a chance de pegar meningite meningocócica, uma doença com evolução rápida e que pode ser fatal.

Hepatite A: Tem como sintomas: febre, dor muscular, cansaço, mal-estar, inapetência, náuseas, urina escura e vômito.

Gripes e resfriados: Provocam febre, dores de cabeça e no corpo, coriza, mal-estar e fraqueza.

Cárie: Fique atento aos dentes do parceiro, se não tiverem boa aparência, não o beije, pois a até mesmo a cárie pode ser transmitida durante o beijo.

A fim de evitar a contaminação dessas doenças, não deixe a higiene bucal de lado, se hidrate muito e se alimente bem.