Alergia alimentar é uma reação do sistema imunológico logo após a ingestão de um determinado alimento. A alergia afeta de 6 a 8% das crianças com menos de três anos de idade e 3% dos adultos.

O sistema imunológico tem a função de defender o organismo de substâncias desconhecidas e consideradas nocivas, mas em algumas pessoas, a reação é desencadeada por algo inofensivo, como alimentos.

É raro desenvolver a alergia alimentar, de todos que acreditam ter, apenas 1% realmente sofre com o problema. Quando asma, eczema, urticária ou alergias são condições da família, as chances de desenvolver alergias aos alimentos são maiores. 

Qualquer alimento pode desencadear reações alérgicas, mas em crianças os principais são: ovo, leite, amendoim, frutos do mar, soja, frutas secas e glúten. Já nos mais velhos, os mais comuns são: frutos do mar, amendoim e frutas secas.

Os sintomas costumam aparecer imediatamente ou em até duas horas após o consumo do alimento. Os principais são:

  • Urticária
  • Rouquidão
  • Dificuldade para respirar e deglutir
  • Dor abdominal
  • Diarréia
  • Irritação na boca, na garganta, nos olhos ou na pele
  • Tontura ou desmaio
  • Congestão nasal
  • Náusea e vômitos
  • Manchas escamosas e coceira
  • Inchaço na pálpebra, face, lábios e língua

Em casos graves pode ocorrer a anafilaxia, podendo ser fatal, que necessita de socorro imediato. O alimento induz o aparecimento de coceira, inchaço de glote, tosse, aperto no peito, queda da pressão arterial, arritmias cardíacas e colapso vascular.

Infelizmente, ainda não há um tratamento eficaz, mas é importante que as pessoas alérgicas tenham sempre epinefrina injetável, uma substância que controla as reações distribuídas por todo o corpo.