Muito mais comum do que parece ser, segundo dados do Instituto da Tireoide, 15 % da população acima de 45 anos sofre de problemas na tireóide. A principal causa desses problemas é uma dieta desequilibrada, relacionada ao consumo de iodo e nutrientes, como o selênio.

A tireóide é uma glândula endócrina que fica localizada no pescoço e é responsável pela produção dos hormônios T3 e T4 que regulam o metabolismo e estimulam várias funções dos órgãos, como no coração, controla o batimento cardíaco; no intestino, regula a freqüência de evacuação; e no cérebro, interfere na memória, no humor e em outras funções cognitivas.

Se a produção desses hormônios desacelera, o problema é conhecido por hipotireoidismo, o corpo fica preguiçoso e há a tendência de engordar. Em outras situações, a produção dos hormônios pode ser acelerada, hipertireoidismo, nesse caso os sintomas mais comuns são a insônia, taquicardia, irritabilidade, falta de concentração e perda de peso muito rápida.

Confira os alimentos que garantem os nutrientes essenciais para o bom funcionamento da tireóide:

Algas marinhas: Alimento rico em iodo e selênio, nutrientes fundamentais para a produção dos horônios T3 e T4.

Castanha-do-Pará: Rica em selênio e ômega-3, a castanha fornece nutrientes que auxiliam na produção dos hormônios.

Quinua: Fonte de proteínas vegetais, o alimento é rico em cálcio, ferro, fibras, magnésio, potássio e zinco.

Óleo de peixe: Rico em iodo, porém é necessário se atentar na escolha do peixe, dê preferência ao salmão, sardinha e atum.

Leite e derivados: Fonte de cálcio, vitamina D, vitamina A e iodo.

Gema do ovo: Possui componentes antioxidantes e iodo, além de ter carotenóides, que são uma pré-vitamina A.

Carne vermelha: Fonte de zinco e selênio, importantes para a produção hormonal. Mas não deve ser consumida em excesso, devido a gordura saturada.

Laranja: Rica em carotenóides e vitamina C.

Só tenha cuidado com a quantidade de iodo a ser ingerida, pois o excesso pode levar ao hipotireoidismo, é recomendado que se consuma cerca de 150 microgramas diariamente.