Assim como qualquer cirurgia, a lipoaspiração também apresenta riscos, porém o número de mortes na mesa cirúrgica é baixo, segundo dados da Vigilância Sanitária Americana, são esperadas apenas 3 mortes a cada 100 mil cirurgias de lipo.

A lipoaspiração não é para emagrecer, é um método de remoção da gordura localizada que ficam concentradas debaixo dos braços, nos quadris e na região abdominal. Esta gordura dificilmente será eliminada sem a intervenção cirúrgica, mesmo que o paciente seja adepto a prática de exercícios físicos e a dietas.

O Conselho Federal de Medica estipulou um limite de gordura que pode ser retirado, não pode passar de 7% do peso corporal e a cirurgia só deve ser feita por maiores de 18 anos.

Os principais riscos da lipoaspiração são:

Hematomas: Podem ficar manchas escuras na pele que causam dor;

Flacidez: É comum que a região lipoaspirada fique flácida, para corrigir isto, é possível fazer um lifting na área para retirar o excesso de pele;

Irregularidade na pele: A área aspirada pode ficar com pequenas irregularidades devido o uso da cânula;

Trombose venosa profunda: Pode ocorrer perfurações de órgãos e levar até a morte, porém não é tão comum ocorrer.

Alteração da sensibilidade: A cirurgia pode lesionar os nervos periféricos, ocasionando na perda de sensibilidade.

Seroma: Acúmulo de líquidos sob a pele pode ser evitado com o uso da cinta e sessões de drenagem linfática.

A melhor forma de evitar estas complicações é procurar por um profissional de sua confiança que irá tirar todas as suas dúvidas e executar a cirurgia em um ambiente adequado, além de seguir todas as orientações passadas durante o período pré e pós-cirúrgico.