Assim que a mulher descobre que está grávida o primeiro passo é procurar o seu médico para iniciar o pré-natal, a fim de acompanhar a evolução da gravidez e garantir o bem-estar do bebê e da mãe.

O pré-natal é de extrema importância, pois através dos exames realizados é possível detectar doenças e complicações que podem atingir a saúde da mãe, provocar o parto prematuro ou até mesmo o aborto. Quando esses problemas são detectados precocemente, aumentam as chances de detê-los.

Normalmente, as consultas são realizadas mensalmente e os exames são divididos entre os trimestres da gestação. Conheça os exames mais pedidos:

Hemograma completo: Tem o objetivo de detectar como está o sistema imunológico da gestante, se a mãe está com anemia ou alguma infecção.

Glicemia: Se a quantidade de glicose no sangue estiver acima do normal é sinal de que a mãe pode estar com diabetes gestacional, doença que pode causar problemas no feto.

Sistema ABO e fator Rh: É necessário saber qual o tipo sanguíneo da mãe e do bebê. Se o fator sanguíneo da mãe for negativo e do bebê positivo, pode ocorrer a eritoblastose fetal. No parto, quando os sangues entram em contato, o corpo da mãe libera anticorpos antiRh que podem destruir as hemácias do próximo bebê com fator positivo que ela possa vir a ter. Para evitar essa complicação, é ministrado um medicamento, logo após o parto, que inibe a formação desses anticorpos.

Sorologia para HIV e VDRL: É preciso saber se a mãe é soropositiva para HIV ou se está contaminada pela bactéria que causa sífilis, caso o resultado seja positivo é necessário tratamento para evitar a transmissão do vírus para o bebê. O HIV prejudica o sistema imunológico, já a sífilis pode causar problemas no sistema nervoso central, no coração e em outros órgãos.

Reação para toxoplasmose e rubéola: O exame indicará se a gestante já teve contato com alguma dessas doenças. Já que a toxoplasmose pode provocar sequelas para o feto, como malformações e destruição dos tecidos, enquanto a rubéola pode acarretar em complicações neurológicas, cegueira e surdez para a criança.

Sorologia para citomegalovírus e hepatite B e C: Caso a mãe já tenha tido alguma dessas doenças, o desenvolvimento do feto poderá ser afetado. O citomegalovírus pode causar malformações no bebê. As hepatites B e C podem ser transmitidas para a criança, que será portadora do vírus.

Urina: É necessário detectar se a gestante está com infecção urinária, pois pode ser passada para os rins e até mesmo para o corpo inteiro, provocando um parto prematuro e problemas de saúde para a mãe.

Fezes: Detecta se a mãe está com vertaminose, já que são fatores causadores da anemia.

Ultrassonografia: O ideal é serem realizados três ultrassonografias durante os nove meses. Uma no primeiro trimestre para avaliar o tempo da gestação, a segunda deve ser realizada no segundo trimestre, para verificar a formação dos órgãos, já a última, no terceiro trimestre, é apenas para acompanhar o crescimento fetal.

Normalmente, os exames de sangue, urina e fezes são realizados apenas no início do pré-natal, podendo ou não ser repetido, de acordo com cada caso. Se for uma gravidez de risco ou se os exames apresentarem anormalidades, a gestante deverá ser tratada, a fim de evitar que o feto seja contaminado e sofra qualquer dano.