Seja torcendo ou jogando, o esporte é para todos.

O mundial de futebol já chegou e o Brasil, apaixonado por esse esporte, está em festa. Nosso país conta com alguns dos maiores ídolos em atividade, lendas vivas e é claro, milhares de anônimos amantes de futebol. Com tanta paixão, quem tem osteoporose se pergunta: “posso continuar jogando aquela ‘pelada’ de vez em quando ou tenho que ficar só na torcida?”.

 

Para Fred Eisenhauer, profissional em Educação Física, é possível jogar partidas leves, em gramado, se tomados os devidos cuidados. “Praticar atividade física de impacto gera uma melhora na construção de massa óssea, mas, dependendo do caso, é preciso ter cuidado com o nível do esforço que o futebol propicia”, conta. “É necessário trabalhar muito bem a musculatura para uma prática segura”, completa. Alongamento e exercícios de fortalecimento estão entre as atividades indicadas, mas antes de se dedicar a algum esporte, é preciso consultar um médico.

O ideal é jogar limpo e praticar com amigos que sabem os limites um do outro. É essencial avisar os colegas sobre a osteoporose para evitar contatos bruscos. “Tudo para tornar a prática segura e prazerosa, sem riscos, pois o futebol é um esporte de muito contato físico e de muitas mudanças de direção”, completa Fred.

A regra é clara: consulte sempre seu médico antes de realizar qualquer atividade física. Depois, é só fazer o gol e correr pro abraço.

Artigos do Fred Eisenhauer