Bicicleta é um “brinquedo” para a vida inteira. Mais do que momentos de lazer, ela pode proporcionar saúde e boa forma. Para quem não pode, não consegue ou não gosta de correr, por exemplo, pedalar é uma excelente alternativa de exercício aeróbico.

“Uma pedalada leve queima cerca de 400 calorias por hora. E, por não causar tanto impacto nas articulações, oferece menos riscos de lesões do que a corrida”, compara Kenny Monteiro, triatleta e professor de ciclismo Cia Athletica, unidade Belém do Pará.

Com as facilidades da vida moderna, o sedentarismo ganha cada vez mais espaço no dia a dia, gerando ou agravando problemas de saúde.
Manter uma dieta equilibrada e introduzir a atividade física na rotina são premissas básicas para ficar longe das doenças.

“Exercícios simples, como caminhar ou andar de bicicleta, ajudam a prevenir doenças crônicas como obesidade, colesterol alto e hipertensão ”, diz Mauro Guiselini, professor de educação física do curso de Educação Física do Complexo Educacional FMU, de São Paulo.

O ciclismo traz benefícios físicos e emocionais, contribuindo muito para a qualidade de vida. “Como atividade aeróbica, gera perda de peso, ajuda a equilibrar a pressão e os níveis de triglicérides. Também trabalha equilíbrio e confiança, além de relaxar e combater o estresse. Praticada com bom senso e na medida da forma física de cada um, a atividade quase não tem restrições”, completa Marcos Paulo Reis, treinador de corrida e ciclismo, diretor técnico da MPR Assessoria Esportiva, de São Paulo.

Até usada como meio de transporte a bicicleta é boa para a saúde. “Muita gente busca essa alternativa de locomoção e acaba ganhando fôlego e bem-estar. Chegar ao escritório pedalando traz muito mais disposição para seu dia”, atesta o atleta e consultor Cleber Ricci Anderson, da Anderson Bicicletas de São Paulo.

Antes de começar, vá ao médico

Não importa se o objetivo é melhorar o condicionamento físico, manter a forma, passear com a família no fim de semana, adotar a bike como meio de transporte ou mesmo treinar parar participar de competições. Antes de dar o start no esporte é bom consultar um médico, que pode ser o clínico geral ou o cardiologista.

“Um bom exame clínico e outros laboratoriais, de esforço ou de imagens irão atestar a aptidão para a prática esportiva e dar a segurança necessária para evoluir no treino”, diz o professor Kenny Monteiro, da Cia Athletica, unidade Belém do Pará.

Entre os exames básicos estão:

Hemograma : é o mais solicitado na rotina médica. Basicamente avalia a quantidade e a forma de alguns elementos do sangue como hemácias (células vermelhas, responsáveis pelo transporte de oxigênio no organismo), leucócitos (células brancas, integrantes do sistema de defesa) e plaquetas (fragmentos de células produzidos na medula óssea, importantes no mecanismo de coagulação sanguínea).

Colesterol total e frações : mede as taxas de colesterol e de suas frações – HDL (o “colesterol bom”), LDL (o “colesterol ruim”) e triglicerídeos – na circulação sanguínea. Essa substância está envolvida em diversos processos vitais do organismo e seu excesso no sangue está relacionado a um maior risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Teste ergométrico : também chamado de teste de esforço, avalia a função cardiovascular durante o exercício. Verifica o grau de condicionamento físico, sendo útil na definição de faixas de frequência cardíaca de treino e na avaliação do comportamento do coração e da pressão arterial durante o esforço e a recuperação.

Teste ergoespirométrico: teste de esforço cardiopulmonar que avalia o potencial aeróbico. Aponta o consumo máximo de oxigênio – conhecido por VO2max – e indica as zonas ideais para treinamento aeróbico leve, moderado e máximo. Essencial para pessoas com problemas de coração e obesos que desejam fazer atividade física.

Não há grandes restrições para a prática do ciclismo, mas pessoas com problemas nos joelhos – como tendinite ou condromalácia – devem realizar a atividade em intensidade menor. Consultar um ortopedista para avaliação antes de iniciar também é recomendado.

Quais acessórios são importantes?

Para a bicicleta:

  • Bomba de pé para calibrar o pneu
  • Kit de remendos para a câmara
  • Óleo de corrente
  • Luzes dianteira e traseira
  • Garrafinha (térmica ou não) ou mochila para água (para quem faz trilhas)
  • Pezinho (para a bike ficar de pé)
  • Paralamas
  • Buzina
  • Bagageiro
  • Cestinha
  • Trava e cadeado
  • Bolsas para a bicicleta ou para o ciclista, do tipo mensageiro

Para você:

  • Capacete
  • Óculos escuros (para o sol) ou com lente transparente (protegem do vento e da chuva)
  • Luvas (alguns modelos ajudam a prevenir mãos dormentes pois têm almofadas de gel nos pontos de pressão)
  • Bermuda ou calça de ciclismo (há cortes diferentes para homens e mulheres)
  • Camiseta de ciclismo (tem bolsinhos para carregar kit de remendos e suplementos)
  • Manguitos e pernitos (são mangas e pernas para colocar por cima da roupa e que ajudam a regular a temperatura corporal)
  • Poncho ou capa (para a chuva)

Fonte: iG