As mulheres, no geral, ao descobrirem a gravidez ficam cheias de medos e passam a acreditar em todos os mitos em volta da gestação, por fim, sem nem perceberem tratam a gravidez como se fosse uma doença, pois se privam de todas e quaisquer atividades.

As grávidas podem e devem se exercitar, claro que com moderação e certos cuidados, mas principalmente as que já estão acostumadas, devem continuar. A corrida é a um dos melhores exercícios para o corpo e o coração, além de ser possível em qualquer hora livre do dia. Porém, mulheres grávidas só devem correr caso já tenham esse hábito e a liberação do médico obstetra.

Apesar de fazer muito bem a saúde cardiovascular, a corrida facilmente acarreta em lesões nos joelhos por sobrecarga. Portanto, durante a gravidez o cuidado deve ser redobrado, pois nessa fase da vida o corpo produz hormônios que afrouxam as articulações.

Durante a gravidez, cuidados especiais devem ser tomados na prática de qualquer atividade física como se hidratar muito e monitorar a frequência cardíaca, pois se houver uma desidratação, pode diminuir o fluxo sanguíneo para o útero e até causar contrações. É importante evitar correr em dias quentes e em pistas esburacadas, pois o risco de queda nesse período aumenta significativamente. No último trimestre da gestação a tendência é diminuir a intensidade do treino, já que o peso da mulher aumenta, sobrecarregando as articulações.

A atividade física é extremamente importante, principalmente no primeiro trimestre de gestação e é recomendado, no mínimo, 30 minutos de exercícios diários, até mesmo as sedentárias. Mas a atividade deve ser imediatamente interrompida e o médico obstetra ser consultado caso apresente algum sintoma diferente do comum, como: sangramento vaginal, visão embaçada, náusea, tontura, sensação de desmaio, falta de ar, palpitação, aumento do inchaço nas mãos e pés, forte dor no abdome ou no peito, perda de líquido pela vagina e mal-estar.