Por razões desconhecidas, as pessoas obesas e sedentárias correm mais riscos de desenvolver algum tipo de câncer. Por isso, a prática regular de atividade física atua diretamente na prevenção da doença, que de todos os casos, 25% são causados pelo sobrepeso, obesidade e sedentarismo.

A obesidade pode causar o desenvolvimento de câncer de mama no período pós-menopausa, cólon e reto, esôfago, fígado, bexiga, pâncreas, rim e útero. Sendo assim, os exercícios físicos associados com uma alimentação saudável reduzem o nível de gordura no organismo e consequentemente reduz as chances de desenvolver alguma doença.

As mulheres que têm o hábito de se exercitar reduzem em 29% as chances de ter câncer de cólon, enquanto nos homens o risco é 22% mais baixo. Já nos casos de mulheres que já tiveram câncer de mama, as que exercitaram após a cirurgia e os tratamentos, apresentaram cerca de 60% de redução do risco de recidiva da doença e menor mortalidade.

Todos esses benefícios se dão porque a atividade física é capaz de conservar a massa muscular, normaliza os hormônios, reduz o nível de cortisol, melhora o sistema imune, combate a neoplasia e a caquexia tumoral, controla a fadiga e outros sintomas que são causados pela doença.

Após receber o diagnóstico do câncer e iniciar o tratamento não pare de praticar atividades, pois a doença provoca perda de peso e fraqueza e o exercício irá combater essas reações te mantendo saudável para se recuperar da melhor forma possível. É recomendada a prática de exercícios de 30 a 60 minutos por dia, podendo ser as atividades aeróbicas ou de fortalecimento e hipertrofia, mas claro que sempre respeitando o limite de cada paciente.